Mentoria Vocacional – A nova Geração I e os rumos de uma nova Ordem Social | Marcelo Canal

Mentoria Vocacional – A nova Geração I e os rumos de uma nova Ordem Social

Shana tova 5781
Shaná Tová Umetuká! – Um ano bom e doce!
setembro 18, 2020
Processo U (2)
O processo “u” é um caminho transformacional aplicado na mentoria sistêmica
dezembro 14, 2020
Mostrar tudo

Mentoria Vocacional – A nova Geração I e os rumos de uma nova Ordem Social

Geração I

O que pais, educadores e mentores precisam saber sobre a Geração I que se inicia agora no seu caminho de busca profissional neste mercado pós Pandemia do COVID 19

Como a Pandemia do COVIDy-19 está afetando diretamente a nova geração  chamada  de a Geração I. São  nascidos entre 2002 à 2017 e que  hoje com 18 anos, sucedem a Geração M, segundo as indicações das ciências sociais .
O jovem, desta geração, que normalmente neste período  sente a necessidade de se afastar animicamente da influência dos pais, para experimentar suas próprias ideias e capacidades, não conseguem este afastamento devido o confinamento e ao contrário se encontram ainda mais expostos e dependentes deles.

Se nas fases anteriores de seu desenvolvimento, o jovem pôde testar-se fisicamente, agora não precisa mais disto, e não busca mais se expor à riscos como auto provação. E sente que o seu desafio agora é  colocar à prova suas capacidades intelectuais  e afetivas. Esta é a hora da sua verdade! Mas, com o fenômeno da Pandemia causada pelo COVID-19 esta tarefa se tornou ainda muito mais difícil devido o confinamento social.
Pois, além do jovem ter que ficar contido em seu espaço, sem poder explorar o mundo e a natureza, não está podendo contar com muitos exemplos inspiradores. Não estamos deixando para eles muitas referências de ideais humanos ou de valores ou mesmo ídolos inspiradores que conseguissem impulsioná-los através de seu legado, como um alimento para as próximas gerações. O estrago realizado  pelo desequilíbrio causado pelo chamado progresso, não sustentável e predatório,  mostrou a eles uma falência dos modelos. E por outro lado se o mundo digital de certa forma ocupa hoje a função de comunicação social para eles, uma vez que  é mais fácil para eles se exporem pelas mídias sociais  que presencialmente, não alimenta com o mundo real.

O mundo virtual não cumpre realmente a função de alimentar os sistema perceptivos básicos nas funções de experimentação dos sentidos, como faz a natureza e se o jovem precisa experimentar o mundo real, de certa forma o excesso de virtualidade deforma parte essencial das regiões neuro-frontal em formação e da lateralidade motora do cérebro. (Vejam os estudos em detalhes sobre isto no livro recém editado pela  Editora AD Verbums  “Crescer Saudavelmente no Mundo das Mídias Digitais – Dra Michaela Glöckler.

Com toda esta dificuldade pessoal e social o papel de um mentor vocacional é crucial para trabalhar com  suas críticas de forma a conduzi-los na busca por novas soluções, de forma a caminhar com eles do inconformismo para um novo ideal de propósito de vida e trabalho. Os mentores poderão ajudá-los estimulando a buscarem  novas referências de soluções positivas que estejam acontecendo próximo a eles e na sua própria geração. Nossos jovens precisarão possuir qualidades anímicas suficientemente fortes que lhes alimentem de forma a não perderem seu idealismo e paixão próprios desta fase da vida. Exemplos como a Greta Thunberg a jovem estudante sueca, de 16 anos. A ativista que disse estar muito feliz de comparecer à ONU e agradeceu às Nações Unidas e ao secretário-geral, António Guterres, por abrigarem o novo evento da Sessão de jovens da ONU em 21 de set. de 2019.

Para conhecer mais sobre o desenvolvimento biográfico do ser humano acesse nosso site:
http://sistemanh.com.br/ebook/14

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *